Há 20 anos, System Of A Down lançava ‘Chop Suey!’, a música de maior sucesso da banda

System of a Down

20 anos: Há exatas duas décadas, em 13 de agosto de 2001, o System Of A Down mudou para sempre a sua carreira e sucessivamente o mundo da música lançando o estrondoso hit ‘Chop Suey!’, do segundo álbum de estúdio, o Toxicity.

Com um poderoso instrumental que equilibra perfeitamente o pesado com o suave e uma entrega vocal espástica proporcionada por Serj Tankian, a obra musical conta também com marcantes arranjos adicionais, como as linhas orquestrais conduzidas pelo maestro Marc Mann e as notas de piano executadas pelo produtor Rick Rubin.

À RollingStone, em 2016, o renomado produtor dos cinco discos do SOAD elegeu ‘Chop Suey!’ entre as 21 das mais notáveis músicas trabalhadas em seus 30 anos de carreira. Rubin contou a história por trás do single:

“Essa música iria originalmente ser chamada de ‘Suicide’, mas a gravadora se revoltou. Era a Columbia Records novamente, como foi com o Slayer. Eu me lembro de defender com unhas e dentes a ideia de manter o título, e a banda decidiu, “Vamos chamá-la ‘Chop Suey!’” que eu pensei ser meio divertido.

É uma música incomum porque o verso é tão frenético. O estilo é tão incomum. É igualmente difícil de se cantar e indiscutivelmente difícil para se ouvir, mas então o refrão é essa coisa extensa, crescente, emocionante, afluente e bonita. E então se chega nessa ponte incrível, “Father, father, father, I commend my spirit?/Father, why have you forsaken me?”. É simplesmente o verdadeiro heavy metal, bíblico e grandioso. É tão incomum que vai entre esses versos loucos, rítmicos, explosivos até o emocionante hino final.

É apenas uma música muito incomum, e o fato de ter se tornado em um hit é realmente diferente, porque é uma música um tanto bizarra. Foi chocante quando o Serj Tankian cantou o verso para mim pela primeira vez. Foi tipo, “Você realmente quer que isso seja o verso?”. E ele respondeu, tipo: “Sim”. Ele amou isso. E assim se manteve. Você não tem perspectiva sobre alguma coisa como essa na primeira vez que escuta. Mas o que é mais emocionante nessa banda é como eles pegam essas ideias incomuns e executam-nas em um nível alto. Eles podem pegar alguma coisa que parece realmente esquisita e executam isso em um nível elevado, e transmitem isso tudo de uma maneira em que você enxerga como algo bonito. Força você a abrir sua mente.”

Letra

Não só o nome, mas a letra de ‘Chop Suey!’ tinha outra versão no início. Composta de forma discreta ainda durante as viagens de divulgação do primeiro álbum da banda, essa “pequena música”, carinhosamente chamada assim por Daron Malakian, começou a ser colocada no papel nos fundos do ônibus de turnê, mas com uma versão inicial totalmente diferente da conhecida:

“Tell me/Tell me what you think about tomorrow/Is there gonna be a pain and sorrow/Tell me what you think about the people/Is there gonna be another sequel?”

Serj Tankian mudou a abertura da música, transformando-a em uma estridente e memorável canção: “Wake up (Wake up)/Grab a brush and put a little make-up”. À revista Metal Hammer, Malakian revelou que encarou de forma serena a alteração da letra. O guitarrista disse:

“Eu fiquei tranquilo quanto a isso. Não sentei lá e disse: ‘Você tem que cantar minhas letras’”.

Se hoje a faixa é o maior sucesso do System Of A Down, com bilhões de reproduções nas plataformas de stream, a sua estreia passou longe de ter sido tranquila. Daron relembra as proibições de rádio pós-11 de setembro:

“Na música, isso é uma medalha de honra. Muitas grandes bandas de rock foram censuradas. É quase como se você não fizesse parte de um seleto grupo se não fosse banido uma ou duas vezes. Acho que isso tornou a música mais popular. Quando eu escrevi, eu não achava que ‘Chop Suey!’ seria diferente de qualquer uma de nossas outras músicas. Mas foi isso que abriu a porta para nós. Eu estava apenas deitado sozinho em uma cama nos fundos [do ônibus de turnê]. Havia um violão que eu costumava levar comigo. Tinha acabado de começar a tocar aquele violão e foi quando comecei a escrever ‘Chop Suey!’”.

Significado

Muitas das músicas da banda foram extraídas de histórias reais, sombrias e projetadas para serem gritadas, mas não necessariamente compreendidas, como na parte: “Why’d you leave the keys upon the table? Here you go create another fable”. Daron explica o significado real da letra:

“É sobre como julgamos as pessoas, mesmo na morte. Se alguém morre em um acidente de carro, as pessoas diriam: ‘Oh, coitadinha’. Mas se ela morresse em um acidente de carro enquanto estivesse bêbada, isso mudaria toda a percepção sobre a forma da morte, e iriam julgar de uma maneira diferente. Por alguma razão, esse pensamento foi estranho para mim. Eu provavelmente estava fumando maconha ou algo assim.”

A gravação da faixa ocorreu em 2001 no Cello Studios, em Hollywood, local onde a banda trabalhou por mais de um ano no álbum Toxicity.

“Era tarde, muito tarde da noite”, diz o guitarrista. “Eu tinha uns 20 anos e fazia muita experimentação de substâncias. Digamos assim. A canção não se tratava realmente de suicídio. Foi um título preguiçoso.”

Por que ‘Chop Suey!’?

Mesclando com o significado original que vem da culinária chinesa, “pedaços mistos”, tudo se torna simples e objetivo: uma referência aos filmes de gângster que Daron assistiu quando jovem. “Era algo que eles costumavam falar: ‘Vamos fazer chop suey com ele!’, querendo dizer, ‘Nós vamos matá-lo’ [transformá-lo em pedaços]. Está relacionado com toda a coisa da morte.”

“Não foi chamada de ‘Self-Righteous Suicide’, foi chamada de ‘Suicide’. É por isso que no começo você ouve ‘We’re rolling suicide’. ‘Chop Suey!’ é ‘Suicide’ dividido ao meio. Tivemos conversas sobre isso, tínhamos que trilhar nossas batalhas, não poderíamos lutar contra tudo. Fomos espertos sobre isso, fizemos algo legal. Não foi como se tivéssemos nomeado algo que tem uma história por trás”, contou o baixista Shavo Odadjian ao portal Loudwire.


‘Chop Suey!’ é, de fato, predestinada e o destino guiou Tankian na composição. Durante o seu processo estrutural, o vocalista escolheu, de forma involuntária em um livro, uma frase para encaixá-la na ponte. À 93X Radio, Serj contou:

“Com Rick Rubin, nosso produtor, durante o processo lírico de ‘Chop Suey!’, eu tinha o refrão e também tínhamos o verso, e eu estava em busca de um breakdown [pausa/mudança de andamento na música] no middle 8 [ponte], falando liricamente.

Eu estava apenas tentando pensar em algo e fiquei paralisado por um segundo. Estávamos saindo do estúdio e ele disse, ‘Quer saber? Vamos fazer uma pausa, vamos para minha casa’. Fomos até a casa dele, ele tinha uma biblioteca enorme e disse, ‘Escolha um livro, qualquer livro’. Eu simplesmente estendi a mão, peguei um livro. Ele falou, ‘Abra em qualquer página’. Eu abri em uma página, coloquei meu dedo sobre ela, e aquilo se tornou a ponte. Usar o universo para me guiar foi incrível, e a maneira como funcionou com o resto das letras foi o que me surpreendeu.”


Hora de aumentarmos ainda mais os números astronômicos da faixa. Relembre este eterno clássico do System Of A Down!


Referências:
– RollingStone | Kory Grow – 11/02/2016
– Loudwire | Graham Hartmann – 16/09/2020
– 93X Radio | Jordan Alamat – 18/02/2021
– Metal Hammer | Dave Everley – 04/03/2021

Nenhum comentário