John Dolmayan: ‘Eu não acredito no comunismo. Eu não acredito em socialismo’

Em recente entrevista ao podcast Cancelled with Rob Rosen and Desma Simon, destinado a celebridades que foram alvo da “cultura do cancelamento”, John Dolmayan fala (com transcrição via Consequence of Sound) sobre como é ser um conservador, faz críticas ao movimento ‘Black Lives Matter’ e conta sobre ter sido “cancelado” por ser de direita.

“Eu fui uma vítima disso. Digamos que a ‘Ascencia’ (HQ criada por Dolmayan) poderia facilmente ser transformada em um programa de TV ou filme. Eu tinha uma agência trabalhando comigo nisto tudo. E essa agência teve que dar um passo atrás”, afirma o baterista.

Dolmayan mencionou o macarthismo, prática de subversão que colocou na lista negra ou privou os supostos comunistas nos Estados Unidos na década de 1950.

John diz: “Então, eu já fui alvo disso, não é diferente e não é melhor do que os acontecimentos nos anos 50 com o macarthismo. Eu não acredito no comunismo. Eu não acredito em socialismo – eu acredito em programas sociais. Mas eu também não condenaria ninguém, não colocaria ninguém na prisão por conta de crenças.”

Em outro momento do bate-papo, Dolmayan fez referência ao Parler, rede social de direita que foi suspensa pela Apple após invasão ao Capitólio dos EUA no começo de janeiro deste ano. Ainda no assunto, o músico criticou o movimento ‘Black Lives Matter’, chamando a organização de hipócrita e uma “ferramenta de arrecadação de fundos para uma agenda comunista”.

“Não gosto da organização Black Lives Matter. Muitos dos fundadores são comunistas convictos. Muitas pessoas do movimento – ou organização – pensam de forma diferente do que o movimento realmente é. Eu não acho que eles se importam com a vida dos negros.”

O baterista do System Of A Down finaliza: “Eu acho que eles são uma ferramenta democrática de arrecadação de fundos de uma agenda comunista. E se eles realmente se importassem com a vida dos negros, se preocupariam com a violência dos negros contra negros em nossas cidades.”

O podcast pode ser conferido (em inglês) no player abaixo:

Nenhum comentário