Serj Tankian revela que planejaram seu assassinato durante turnê com o SOAD

Em nova matéria publicada pelo portal britânico The Guardian, Serj Tankian relembrou o caótico momento que envolveu o lançamento do álbum Toxicity, o mais bem-sucedido do System Of A Down, abordou assuntos sobre o atual status da banda, e revelou uma grave situação: uma real ameaça de morte no ano de 2005, durante a turnê dos discos ‘Mezmerize’ e ‘Hypnotize’.

De acordo com Tankian, por conta de críticas ao ex-Presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Dennis Hastert, serviços de inteligência da Turquia o perseguiram para assassiná-lo. Leia abaixo a publicação!


 “Em novembro do ano passado, com a guerra ainda em curso em Nagorno-Karabakh, o System Of A Down lançou dois singles para aumentar a conscientização sobre o conflito, ‘Protect the Land’ e ‘Genocidal Humanoidz’. A banda tem uma longa tradição de registrar sua política. Eles fecharam seu álbum de estreia autointitulado, de 1998, com a faixa ‘PLUCK’ (Politically Lying, Unholy, Cowardly Killers), um apelo explícito por “reconhecimento, restauração e reparação” em relação ao genocídio de 1915. Escrever essa música fez parte de um juramento que Tankian fez ao seu avô de “sempre trabalhar para que sua história seja devidamente reconhecida pelo país em que morreu, os Estados Unidos”. Em 2019, o Congresso finalmente aprovou uma resolução reconhecendo formalmente o genocídio armênio. Essa vitória veio após décadas de campanha que moldaram a política de Tankian. “Pensei: deve haver tantas outras coisas escondidas debaixo do tapete pelo governo dos Estados Unidos”, diz ele. “Eu era um ativista antes de me tornar um artista. Conforme meu megafone ficou mais alto, com o sucesso do System Of A Down, minhas mensagens se tornaram mais pronunciadas e mais difundidas, assim como as repercussões.”

O segundo álbum da banda, ‘Toxicity’, foi direto para o topo das paradas da Billboard em 2001, vendendo 220 mil cópias na primeira semana. ‘Chop Suey!’ continua tão bem conceituada no gênero que no início deste ano a revista Metal Hammer a considerou como a melhor música do século 21. Para Tankian, a contínua aclamação do álbum é ofuscada pelas circunstâncias de seu lançamento – apenas sete dias antes do 11 de setembro. “Quando lembro do Toxicity, a última coisa que penso é no sucesso da minha banda”, diz ele. “O que eu penso é o frenético estresse envolvido.”

Dois dias após o 11 de setembro, Tankian publicou um texto no site da banda intitulado ‘Understanding Oil’, que ele chama de “uma análise sóbria do fracasso da política externa americana em controlar o extremismo” Leia aqui a carta traduzida. A gravadora da banda, a Sony, discordou. Eles retiraram a postagem e acusaram Tankian de tentar justificar o terrorismo. “Na época, ninguém queria ouvir. Houve muito aceno de bandeiras e muito ódio. A banda me chamou e disse: ‘Você está tentando nos matar?’ Eu disse: ‘Mas é a verdade!’ Eles disseram: ‘Nós sabemos que é a realidade, mas quem se importa? Por que você está tentando nos matar?’. Sempre fui ingênuo ao pensar que, se algo é verdade, então deve ser dito. Eu ainda sou muito ingênuo.”

Não seria a última vez que Tankian temia por sua vida no palco. Em ‘Truth to Power’, um novo documentário sobre seu ativismo político, Tankian afirma que durante a turnê do System Of A Down dos álbuns ‘Mezmerize’ e ‘Hypnotize’, de 2005, ele recebeu a palavra “de uma fonte muito confiável de que possivelmente poderia haver serviços de inteligência turcas procurando por mim para me assassinar, por conta do meu ativismo contra Dennis Hastert”. Hastert era o então presidente da Câmara dos Representantes, acusado por um interlocutor do FBI de aceitar subornos do governo turco. Tankian se lança de um lado para o outro em sua cadeira enquanto demonstra como agiria durante os shows para que fosse um pouco mais difícil para um atirador acertá-lo. “Aqui estou eu no palco, tocando em Chicago, indo da esquerda para a direita a 80 quilômetros por hora”, ele diz de forma bem humorada. “Neste momento eu estou brincando, mas já passei por momentos extremamente alarmantes por causa de tudo isso.”

No ano seguinte, o System Of A Down entrou em hiato; embora tenham voltado às turnês em 2011, eles ainda não lançaram outro álbum. Os dois singles do ano passado representaram as primeiras músicas novas que Tankian, o guitarrista Daron Malakian, o baixista Shavo Odadjian e o baterista John Dolmayan lançaram como um coletivo em 15 anos. “Acho que é muito encorajador que tenhamos conseguido fazer essas duas músicas para nosso povo e trabalhar em algo fora de nossos próprios egos”, diz Tankian, embora ele questione se farão mais. “O tempo dirá”, diz ele.

A última tentativa foi feita há cerca de cinco anos, quando Tankian apresentou uma coleção de novas músicas para seus companheiros de banda. Não deu certo. “Eu tinha a visão de um determinado caminho a seguir com a banda, junto com estas músicas”, diz ele. “Eu não acho que filosoficamente fomos capazes de resolver as coisas olho no olho”. Uma visão musical ou algo mais amplo? “Musicalmente, na forma como contribuímos, divisões das publicações, tudo isso. Foi uma tentativa igualitária – eu estava sendo o ativista dentro da banda!”. Ele agora está lançando essas faixas em um EP solo, ‘Elasticity’, o que demonstra que as composições de Tankian não perderam nada de sua força política ou ecletismo musical.

Enquanto seus companheiros de banda resistiram a esse esforço em particular, o ativismo de Tankian permanece destemido. Ele é movido, diz ele, pela memória de uma multidão em Yerevan. Não aquela que assistiu o System Of A Down em 2015, mas às massas que invadiram as ruas três anos depois para promover uma revolução pacífica. “Eu já vi muitas pessoas felizes em festas ou em festivais antes, mas naquele dia eu vi alegria nos olhos das pessoas pela primeira vez na minha vida”, diz ele. “Isso é algo que nunca vou esquecer. Espero que a Armênia volte a ter esse sentimento um dia. Em breve”, finaliza Tankian.


Com cinco músicas, o novo EP de Serj Tankian já está disponível para audição. Ouça no player abaixo o ‘Elasticity’:

Nenhum comentário